tfionline Faça seu login

Março 3, 2020

Relacionamento e União com Deus

Compilação

[Relationship and Union with God]

O foco do Evangelho é o relacionamento com Deus. Nosso Deus é um Deus de relações, que nos criou a partir do relacionamento que transborda de amor dentro da Trindade. Sua intenção é que tenhamos um relacionamento perfeito com Ele por toda a eternidade. O ponto culminante da narrativa cristã é um banquete de uma festa de casamento — o casamento de Cristo, o noivo, e nós, Sua noiva, a Igreja.

Quando olhamos para o céu, como João 14 expressa tão lindamente, não estamos procurando onde— algum lugar distante onde estaremos bem . Estamos olhando para quem—a pessoa de Deus, e a maravilha, alegria e realização de um relacionamento com Ele.

A Bíblia está repleta da expressão do coração relacional de Deus conosco—como Pai, marido, amigo—e vemos isso desde o Gênesis até ao Apocalipse.

Quando Adão e Eva no Jardim do Éden dão as costas a Deus e se rebelam contra Ele, vemos imediatamente que o tom é definido para o resto das eras, pois a resposta de Deus não é ‘O que você fez?’, Mas ‘Onde está você?’[1] E todo o resto da história é Deus nos conquistando de volta, pagando Ele mesmo o preço, abrindo um caminho para nos reunir a Ele.

É uma grande história de amor, uma aventura épica de um amante perseguindo Sua noiva. É o próprio Deus cortejando e indo atrás da humanidade. É uma realidade de tirar o fôlego com a qual somos inundados na Palavra de Deus através do Seu chamado para vivermos em um relacionamento com Ele ... 1 João 3: 1 reverbera alegria: “Vejam como é grande o amor que o Pai nos concedeu: que fôssemos chamados filhos de Deus, o que de fato somos!"

A ênfase bíblica está em um Deus que Se revelou: através da natureza, através das Escrituras e, finalmente, através da Palavra viva, Jesus Cristo feito homem.

Jesus olha para Seus discípulos e diz-lhes que, conhecendo-O, conhecem o Pai,[2] e que conhecê-lO é ter a vida eterna.[3] A auto revelação de Deus é um ponto fundamental para a teologia cristã e a base da nossa segurança. É uma das verdades mais profundas da mensagem cristã. — Embora, às vezes, possamos não entender o que Deus está fazendo, nós conhecemos a Deus (louvado seja Deus!).

O que torna isso ainda mais maravilhoso é que conhecê-lO não é simplesmente uma possibilidade abstrata, mas o desejo do coração de Deus, como Ele diz através de Jeremias: “Eu lhes darei coração capaz de conhecer-me e de saber que eu sou o Senhor. Serão o meu povo, e eu serei o seu Deus, pois eles se voltarão para mim de todo o coração.”[4]Tanya Walker

Estar “em Cristo”

Nossa união com Cristo é capturada nesta simples frase preposicional, “em Cristo”, usada por Paulo de alguma forma 164 vezes. Somente quando estamos “em Cristo” é que somos escolhidos, chamados, regenerados, justificados, santificados, redimidos, assegurados da ressurreição e recebemos todas as bênçãos espirituais.[5]

Essa união com Cristo abrange espaço e tempo—e Paulo pode dizer que o cristão morreu com Cristo,[6] o cristão ressuscitou com Cristo,[7] o cristão ascendeu com Cristo para compartilhar agora o Seu reino nos lugares celestiais;[8] e o cristão está destinado a compartilhar a gloriosa vinda de Cristo com ele.[9]

Não é de admirar que alguns chamem nossa união com Cristo de uma das mensagens centrais do Novo Testamento. O teólogo João Murray chamou de “a verdade central de toda a doutrina da salvação”.

A. W. Pink disse: “O assunto da união espiritual é o mais importante, o mais profundo e, no entanto, o mais abençoado de todos os que são apresentados nas Sagradas Escrituras.”

O estudioso de Cambridge B. F. Westcott escreveu: “Se entendermos o significado das palavras ‘estamos em Cristo’, saberemos que, abaixo da superfície da vida, existem profundidades incompreensíveis, cheias de mistério e esperança”.

A união com Cristo é a realidade espiritual pela qual nós, como crentes, estamos unidos ao nosso Senhor, de modo que o que é verdadeiro sobre Ele se torna verdadeiro para nós. Essa união espiritual é o meio pelo qual se transcende espaço e tempo para podermos compartilhar todos os benefícios da obra de Jesus na história em nosso favor. É central para a nossa compreensão de quem somos como cristãos.—Bill Kynes[10]

Uma união apaixonada

O relacionamento entre Deus e Seu povo—Cristo e Sua Igreja—é comparado na Bíblia ao de um noivo à sua noiva. A Bíblia nos diz, “Porque o teu Criador é o teu marido; o Senhor dos Exércitos é o seu nome,”[11] e, estamos “unidos com aquele que foi ressuscitado dos mortos. Como resultado, podemos produzir uma colheita de boas obras para Deus.”[12]

A metáfora conjugal usada na Bíblia descreve o relacionamento espiritual íntimo entre Jesus e Sua Igreja e deve representar a união apaixonada de coração, mente e espírito que Jesus busca com cada um de Seus seguidores.  

Estudiosos da Bíblia e teólogos ao longo dos tempos, como João Wycliffe, Bispo Reynolds e Matthew Henry, entre outros, escreveram que o Cântico de Salomão é uma alegoria na qual o amado ou o noivo representa Jesus, e a mulher Sulamita representa a Igreja, ilustrando o relacionamento amoroso do Senhor com Sua noiva.

Na Epístola de Paulo aos Efésios, ele se refere a esse relacionamento como “um grande mistério, mas ilustra a união entre Cristo e a igreja.”[13]

A Bíblia faz numerosas referências ao profundo e duradouro relacionamento pessoal entre Jesus e Sua noiva, a Igreja, também denominada “o Corpo de Cristo”, do qual todo verdadeiro cristão faz parte. “E desposar-te-ei comigo para sempre; desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias. E desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao Senhor.”[14] “Porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos. Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne. Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja.”[15]

Nas Escrituras, no Antigo e no Novo Testamento, o relacionamento entre Deus e os homens — entre o Senhor e Israel, e entre Cristo e a Sua Igreja — é comumente apresentado em linguagem nupcial, como o relacionamento do noivo com a noiva. As Escrituras também empregam outros simbolismos, nos quais Deus é retratado como o nosso pai, pastor e rei, Aquele que nos cura é nosso salvador. “A metáfora conjugal, no entanto, é a mais frequente, a central e fundamental nas Escrituras.”[16]

A escritora religiosa Celia Hahn diz que “As representações de Israel [no Antigo Testamento] como a esposa amada, embora muitas vezes infiel, se refletem em muitas referências feitas no Novo Testamento à Igreja, enquanto a noiva de Cristo.”

O grande amor de Jesus, o noivo celeste, por Sua amada, foi assunto de frequentes sermões de Charles Spurgeon[17], o famoso evangelista inglês do século 19. Em um comentário sobre o versículo onde Deus diz ao Seu povo: “Eu sou o vosso esposo,”[18] Spurgeon escreveu:

Cristo Jesus Se une ao Seu povo num relacionamento conjugal. Ele, por amor, casa-Se com a Sua Igreja como com uma virgem pura. Na terra, Ele cumpre com ela todas as responsabilidades amorosas de marido. Por mais puro e fervoroso que seja o amor de um marido, não passa de uma fraca representação da chama que arde no coração de Jesus. Além de toda a união humana está aquela ligação mística com a Igreja, pois Cristo deixou o Seu Pai e Se tornou uma só carne com ela.

Jesus diz na Sua Palavra: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.”[19] Quando O buscamos em oração, humildemente confessando nossa necessidade por Ele e Seu amor, e O convidamos para todos os aspectos de nossa vida, entramos em um verdadeiro relacionamento com Ele. “Se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei [comungarei], e ele comigo.”[20]

Conhecer Jesus é amar Jesus, porque “Ele é totalmente desejável.”[21] Uma vez que você “provar e ver que o Senhor é bom,”[22] poderá verdadeiramente “conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.”[23]A Família Internacional

Publicado no Âncora em março de 2020.


[1] Gênesis 3:9, NVI.

[2] João 14:7.

[3] João 17:3.

[4] Jeremias 24:7.

[5] Efésios 1:4, 7; Romanos 6:5; 8:1; 2 Coríntios 5:17; Efésios 1:3.

[6] Romanos 6:1–11; Gálatas 2:20.

[7] Efésios 2:5; Colossenses 3:1.

[8] Romanos 5:17; Efésios 2:6.

[9] Filipenses 3:20; 1 João 3:2.

[10] http://www.cslewisinstitute.org/webfm_send/480.

[11] Isaías 54:5.

[12] Romanos 7:4, NVT.

[13] Efésios 5:32, NVT.

[14] Oséias 2:19–20.

[15] Efésios 5:30–32.

[16] Charles A. Gallagher, George A. Maloney, Mary F. Rousseau, and Paul F. Wilczak, Embodied in Love (New York: Crossroad Publishing Co., 1983), 117.

[17] 1834–1892.

[18] Jeremias 3:14.

[19] Mateus 11:28–30.

[20] Apocalipse 3:20.

[21] Cântico de Salomão 5:16.

[22] Salmo 34:8.

[23] Efésios 3:19.