tfionline Faça seu login

Junho 13, 2017

Nossa Identidade em Cristo

Compilação

[Our Identity in Christ]

Algumas coisas nunca mudam, como, por exemplo, a busca pela identidade: “Quem sou eu?”. A busca pelo conhecimento pessoal é uma experiência universal criada por Deus. Algo que mudou nas duas últimas gerações, porém, é onde as pessoas estão buscando a resposta. Para muitas, não se trata tanto de encontrar valores e um propósito nos quais fundamentarem suas vidas, mas uma busca por identidade, uma imagem, com forte ênfase na individualidade.

Nunca se deu tanta importância à expressão da individualidade como ocorre atualmente no mundo direcionado pelo comércio e pela mídia. Após uma busca rápida na Internet encontrei 153 mil sites oferecendo conselhos sobre como expressar minha individualidade — e a maioria deles vendendo algum produto para essa finalidade. Havia as maneiras óbvias (roupas específicas, estilo de penteado, música, dietas, ou carros), e as mais extremas (tatuagens e piercings). Hoje em dia, vale tudo para vender. Anúncios oferecem produtos variados, desde toque personalizado para o celular, urnas de metal artesanais, instrumentos de percussão e doações para causas sociais — tudo isso como meios para se expressar a individualidade. O que os consumidores não percebem é que, na busca pela individualidade, acabam se tornando exemplos de conformidade, placas de propaganda promovendo as preferências, a criatividade, as ideias e os empreendimentos de terceiros.

O que antigamente era um processo que ocorria na adolescência tornou-se literalmente vitalício! Uma empresa de cartões comemorativos diz: “O anúncio do seu nascimento deve expressar sua individualidade de uma maneira especial”. Uma funerária diz: “Preparar significa expressar a sua individualidade na hora do seu funeral”.

Mas pare e pense. Por acaso são esses fatores exteriores que o tornam quem você é na realidade? Ou é o seu íntimo, o seu espírito e os valores que o motivam e direcionam seus atos que determinam quem você realmente é? Você quer ser conhecido e lembrado pela mensagem que projeta, ou pela influência positiva que exerceu? Quem é você?—Keith Phillips

 

Quem Deus diz que eu sou?

Todos nós queremos saber quem somos. Buscamos, procuramos, tentamos nos “encontrar”. Muitos de nós fazemos testes de personalidade e outras avaliações. Descobrimos que somos um leão, um castor, que temos uma personalidade ENFP, ativista, competidora, personalidade tipo I, ou tipo D.

Por mais úteis que esses testes sejam, você já parou para se perguntar: “O que Deus pensa de mim? Quem sou eu, na opinião de Deus?”.

Durante todos estes anos, desde que me tornei cristão, eu nunca tinha feito esse questionamento. E descobri que Deus tem muito a dizer sobre o que pensa a nosso respeito: a Bíblia inteira. Mas se fôssemos resumir, seria algo assim:

Você tem valor

Eu sou o Criador e criei você. Soprei fôlego nas suas narinas, o sopro de vida.[1] Criei você à Minha imagem e semelhança.[2] Meu olhos viram o seu embrião.[3] Eu teci você no ventre da sua mãe.[4] Os cabelos da sua cabeça estão contados, e antes mesmo que chegue palavra à sua língua, Eu já conheço inteiramente.[5] Você foi feito de modo especial e admirável.[6]

Contudo, desde o princípio, trocaram a verdade a Meu respeito pela mentira e adoraram e serviram a coisas e seres criados em lugar do Criador.[7] Pecaram e estão destituídos da Minha glória.[8] ...

No entanto, Eu, no Meu grande amor, entreguei Meu filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna.[9] E mesmo você sendo pecador, Cristo morreu por você. Você era Meu inimigo, mas foi reconciliado Comigo mediante a morte do Meu Filho.[10] E o pecado não tem a última palavra. A graça sim. Onde aumentou o pecado, transbordou a graça.[11]

E todo aquele que invocar ao nome de Jesus será salvo.[12] Você, que acreditou, nasceu de novo.[13] Eu o adotei.[14] Você é filho de Deus, herdeiro de Deus.[15]

Um dia você mudará, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta.[16] ...  Você será libertado do corpo sujeito à morte por meio de Jesus Cristo, e sua habitação será Comigo.[17] Eu enxugarei dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor.[18] … Você entrará no Meu descanso e herdará o reino que preparei para você, e terá alegria plena e eterno prazer.[19]

Mas, acima de tudo, verá a Minha face e estará onde Eu estiver.[20]John Rinehart[21]

 

Justo, santo e amado

Onde você procura afirmar sua identidade fora de Cristo? Aferra-se a algo achando que ficará perdido sem isso? Às vezes, Deus, na Sua graça, permite que percamos aquilo que mais tememos perder, de modo a revelar que procuramos nossa identidade em algo além dEle. Conforme nos ensina que nossa verdadeira identidade se encontra nEle, ficamos livres para desfrutar e glorificar a Ele nos aspectos singulares que nos deu quando nos criou.

Na minha carne tenho dons repletos de pecado e imperfeição, desejos que, muitas vezes, levam-me a fazer a minha vontade e não a de Deus; e tenho bênçãos às quais me apego em vez de usá-las para a glória de Deus. Mas essa deixou de ser a minha identidade. Sou justa, santa, amada, e capaz de glorificar a Cristo por meio dos dons e bênçãos que dEle recebi. Não é obra minha, mas da graça de Jesus Cristo.

Glória a Deus que nos ama o bastante para pegar nossos corações partidos e rebeldes — através do sacrifício do Seu filho — e nos oferecer uma nova identidade em Cristo. Não devemos aceitar nada aquém disso.—Sarah Walton[22]

 

Reconciliado com Deus

Na nossa nova identidade em Cristo deixamos de ser escravos do pecado[23] e nos reconciliamos com Deus.[24] Essa nova identidade muda completamente a nossa relação com Deus e nossos familiares, bem como nossa visão do mundo. A nossa nova identidade em Cristo significa que temos com Deus a mesma relação que Cristo tem — somos filhos de Deus. Ele nos adotou como filhos. Podemos chamá-lO “Abba! Pai!”[25] Somos co-herdeiros[26] e amigos[27] de Cristo. E esse relacionamento é ainda mais forte do que a ligação com nossa família de sangue.[28] Em vez de temermos a Deus como um juiz, gozamos do imenso privilégio de chegarmos a Ele como Pai. Podemos ir até Ele com confiança e Lhe pedir o que precisarmos.[29] Podemos pedir Sua orientação e sabedoria[30] e sabemos que nada nos separará dEle.[31]

Deixamos de ser cidadãos do mundo. Nós nos separamos do mundo.[32] Entendemos que fazemos parte de um reino celestial governado por Deus. As coisas da terra não nos atraem mais.[33] Não tememos ou enfatizamos o sofrimento na terra ou as batalhas que travamos,[34] nem damos importância aos valores do mundo.[35] Até mesmo nossos corpos e atos refletem que não pensamos mais em conformidade com o mundo[36] mas somos instrumentos da retidão de Deus.[37] E a nossa perspectiva do novo reino significa que entendemos que os inimigos não são aqueles ao nosso redor, mas as forças espirituais que procuram manter as pessoas afastadas do conhecimento de Deus.[38]

Uma das maiores bênçãos da nossa identidade em Cristo é a graça que recebemos conforme nossa maturidade espiritual aumenta e que reflete verdadeiramente nossa nova identidade.[39] Nossa vida à luz da identidade em Cristo se completa com um Pai celestial, uma família numerosa e amorosa, e o conhecimento de que somos cidadãos de outro reino, não desta terra.—De gotquestions.org[40]

 

Deus nos deu uma nova identidade em Cristo

Eu sei que não é assim, mas às vezes acho que Deus me ama mais quando controlo minhas emoções ruins e menos quando dou vazão a elas. Você também se sente assim? Olha, Deus fez uma afirmação poderosa sobre Jesus que me anima nessa questão: “Este é o meu filho amado em quem me comprazo.”[41] Descobri uma nova perspectiva neste versículo quando percebi que Jesus ainda não tinha sido crucificado, realizado milagres ou guiado as multidões. Deus amava o Seu filho e estava satisfeito com Ele não pelo Seu desempenho, mas simplesmente porque Jesus era Seu filho. O Pai afirmou e confirmou a identidade de Jesus antes de Ele começar o Seu ministério. Jesus ouviu a voz de Deus, acreditou em Deus e continuou preenchido com o Seu Espírito.

Deus nos deu uma nova identidade em Cristo.[42] Mas nós, ao contrário de Jesus, temos a tendência de esquecer quem somos. Procuramos preencher nossos dias e vidas com atividades e realizações na esperança de agradar a outros e até mesmo a Deus. A condição humana nos faz vulneráveis e cria a necessidade diária de autoafirmação. É semelhante ao fenômeno de ficar satisfeito após um lauto jantar e acordar no dia seguinte morrendo de fome. A verdade nos satisfaz, mas depois ela se esvai pelas rachaduras, fendas e circunstâncias, deixando um vazio assombroso.

Por isso, antes de qualquer atividade, devemos nos firmar a cada momento na realidade da nossa identidade. Agarre a verdade e mergulhe nela. Assimile a verdade e resista ao peso do desempenho de cada dia. Ouça Deus lhe dizer: “Você é minha filha amada, em quem me comprazo”. E Ele Se compraz por você ser você, não por suas obras. Ele Se compraz por causa do Seu amor incomensurável e incondicional, que não depende dos seus méritos. Ele simplesmente lhe dá.—Lysa TerKeurst[43]

 

Você é a obra-prima de Deus[44]

O Seu perfeito amor não se baseia na nossa perfeição ou nada mais, apenas nEle próprio, pois Ele é amor[45] … Ele diz que fomos feitos de modo especial e admirável.[46] Ele diz que nada o separará do Seu amor.[47] Não deixe o inimigo roubar a sua identidade. Você é a obra-prima de Deus. Acredite nisso!—Joyce Meyer[48]

Publicado no Âncora em junho de 2017.


[1] Gênesis 2:7.

[2] Gênesis 1:27.

[3] Salmo 139:16.

[4] Salmo 139:13.

[5] Mateus 10:30; Salmo 139:4.

[6] Salmo 139:14.

[7] Romanos 1:25.

[8] Romanos 3:23.

[9] João 3:16.

[10] Romanos 5:8, 10.

[11] Romanos 5:20.

[12] Romanos 10:13.

[13] 1 Pedro 1:3.

[14] Efésios 1:5.

[15] 1 João 3:2; Romanos 8:16–17.

[16] 1 Coríntios 15:52.

[17] Romanos 7:24–25; João 14:3.

[18] Apocalipse 21:3–4.

[19] Hebreus 4:9–11; Mateus 25:34; Salmo 16:11.

[20] Apocalipse 22:4; João 14:3.

[21] http://www.desiringgod.org/articles/what-god-thinks-about-you.

[22] http://unlockingthebible.org/four-ways-our-identity-in-christ-changes-our-lives.

[23] Romanos 6:6.

[24] Romanos 5:10.

[25] Romanos 8:15–16.

[26] Gálatas 3:29.

[27] João 15:15.

[28] Mateus 10:35–37.

[29] Hebreus 4:16.

[30] Tiago 1:5.

[31] Romanos 8:38–39.

[32] 2 Coríntios 6:14–7:1.

[33] Colossenses 3:2.

[34] Colossenses 1:24; 1 Pedro 3:14; 4:12–14.

[35] 1 Timóteo 6:9–11.

[36] Romanos 12:1–2.

[37] Romanos 6:13.

[38] Efésios 6:12.

[39] Filipenses 1:6.

[40] https://gotquestions.org/identity-in-Christ.html.

[41] Mateus 3:17.

[42] Romanos 6:4.

[43] Lysa TerKeurst, Unglued Devotional: 60 Days of Imperfect Progress (Thomas Nelson, 2012).

[44] Efésios 2:10.

[45] Veja 1 João 4:8.

[46] Salmo 139:14.

[47] Romanos 8:35.

[48] https://www.joycemeyer.org/articles/ea.aspx?article=finding_my_identity_in_christ.