tfionline Faça seu login

Janeiro 21, 2015

Lidando com a Inquietude

Steve Hearts

A inquietude é uma sensação comum a todos em diferentes momentos. Isso ocorre na vida do cristão em parte devido ao desejo da pessoa de descobrir a suprema vontade de Deus e a melhor maneira de realizar seu potencial. Ultimamente eu tenho lidado bastante com essa sensação.

Existem certas coisas que eu tenho certeza Deus me incumbiu de fazer, e fico ansioso por colocar mãos à obra, como, por exemplo, começar um ministério de cura e escrever. Mas preciso conhecer o timing de Deus e saber se as condições estão exatamente certas, para não disparar na frente dEle.

Além disso, existem meus desejos pessoais. Eu gostaria de ter alguém com quem compartilhar a minha vida, uma companheira. Mas também quero ficar mais próximo de membros da família dos quais vivi afastado por muitos anos devido ao meu ministério. Quero fortalecer os laços com eles e compensar os anos perdidos, e já questionei se esses desejos se encaixam no plano de Deus para a minha vida, e se conseguirei alinhá-los com a vocação que Ele me deu.

Apesar do ministério de testificação do qual participo ter se tornado muito mais frutífero, sinto um ímpeto de que devo me dedicar a outra coisa. É algo como o que eu sentia quando passava de ano na escola. Surge então a pergunta: É a voz de Deus ou são apenas minhas emoções? É realmente hora de mudar e seguir outro caminho, ou devo permanecer onde me encontro por mais tempo?

Durante um certo período, essas perguntas pareciam um turbilhão na minha cabeça, causando confusão e frustração. Mas, recentemente, percebi que, se por um lado esse tipo de inquietude pode ser a voz de Deus querendo nos dar alguma mensagem, por outro, Ele não quer que vivamos confusos e frustrados. Ele promete que, se recorrermos a Ele, encontraremos descanso para nossas almas.[1] A minha inquietude aumentou a ponto de eu ficar triste, perder a alegria e paz de espírito. Deus quer nos dar paz e uma mente sã.[2] Agora estou no processo de reduzir essa inquietude com a ajuda do Senhor, para não sucumbir sob esse peso.

Estes são alguns passos que Ele me mostrou para tomar nessa direção:

A confusão e frustração resultantes da minha inquietude deviam-se principalmente ao fato de que eu guardava tudo dentro de mim. Eu era uma pessoa fechada, não me abria com ninguém. Eu não sou, naturalmente, um bom comunicador. Sempre procurei uma desculpa para não ser completamente aberto, e até esperava que as pessoas lessem minha mente. Essa “esperança” jamais se materializou. Sei perfeitamente bem que é o meu orgulho que me impede de ser sincero com os outros. Apesar da bênção de ter uma conexão pessoal com o Senhor, falar abertamente da minha inquietude me ajudou bastante. Muitas vezes, Deus fala comigo por meio do conselho e da perspectiva de outros.

Se realmente quero conhecer a vontade suprema de Deus, o que Ele tem de melhor para mim, vale a pena ir a Ele com a mente aberta e sem vontade própria, mas não é fácil ignorar a minha vontade. Por isso, durante esses momentos com o Senhor, quando estou buscando fervorosamente a Sua vontade, eu repito as palavras de Jesus no Getsêmani: “Contudo não se faça como Eu quero, mas como Tu queres.”[3] Toda vez que digo isso, peço a Deus para me ajudar a acreditar, e não apenas recitar “vãs repetições”.

Eu posso buscar ao Senhor por respostas para a minha inquietude e não receber todas as respostas que esperava, apenas parte. E em algum ponto posso sentir que estava indo rumo a um muro de pedra e não sabia em que direção seguir. Por que o Senhor simplesmente não me deu a revelação completa? Encontrei a resposta em um devocional que li, baseado em Habacuque 2:3: “Porque a visão é ainda para o tempo determinado, mas se apressa para o fim, e não enganará; se tardar, espera-o, porque certamente virá, não tardará.” A indicação não poderia ser mais clara. As respostas que eu ainda buscava viriam na hora designada por Deus. Bastava esperar. Desde então recebi algumas respostas que chegaram exatamente quando Deus sabia que eu precisava, nem mais cedo nem mais tarde.

Por exemplo, na ocasião eu escrevia muitos artigos para diferentes sites, uma atividade muito gratificante. Mas tinha quase certeza que em breve ingressaria em um outro caminho na carreira como escritor, só que não conseguia definir o que seria exatamente. Sempre quis escrever um livro, mas não tinha a mínima ideia do tema. Contudo, recentemente, depois de escrever vários artigos, tive uma ideia que veio como uma revelação: modificar meus artigos e montá-los em capítulos na forma de um livro. É o meu projeto no momento. Essa revelação deu-me fé para continuar esperando no Senhor e acreditar que outros questionamentos serão esclarecidos no Seu perfeito tempo.

E por último, porém não menos importante, devo aprender a aceitar o descanso que o Senhor deseja me dar. Isso é algo que ainda estou aprendendo. Tem funcionado bem repetir diversas vezes: “Senhor, eu aceito o descanso que Você deseja me dar”. Fico dizendo isso até conseguir incorporar esse sentimento. No início meu coração e mente protestam, pois parece que cria um choque dentro de mim. Sei que isso acontece como resultado da tentativa de mudar o meu modo de pensar e aceitar os pensamentos provenientes de Deus. Mas vale a pena pela paz que sinto depois disso.

Eu lhe garanto que, é possível encontrar descanso para a sua alma. O Senhor deseja muito nos dar esse descanso, basta aceitar e assimilar.


[1] Mateus 11:29.

[2] 2 Timóteo 1:7.

[3] Lucas 22:42.