tfionline Faça seu login

Maio 7, 2015

Elogiando a Mudança

Maria Fontaine

[Commending Change]

O mundo está passando por um período de grandes mudanças em todas as esferas da sociedade. São mudanças tecnológicas, econômicas, religiosas, comerciais e ambientais, cujos resultados ficam evidentes nos governos, entidades, na vida das famílias e de seus membros individualmente.

Muitas pessoas desde pastores a gurus de produtividade, a coaches, e a líderes na sociedade reconhecem e exaltam as virtudes de mudanças, tanto inesperadas como planejadas. Todos sabem que é difícil passar por uma mudança, mas se colocarmos em um prato da balança as dificuldades e no outro os benefícios, a maioria concorda que vale a pena.

A maneira como encaramos ou aceitamos mudanças influenciam diretamente os benefícios que nos trazem. A atitude é um fator chave e pode fazer a diferença entre o sucesso, apesar das dificuldades, ou o fracasso diante delas.

Se focarmos os aspectos positivos da mudança, considerando os desafios emocionais, físicos e espirituais elementos necessários para chegarmos ao nosso destino, desfrutaremos da viagem. A vida é uma jornada, e mudanças, inclusive de maior porte, são fatores na “equação.”

Conforme seguirmos o Senhor e fortalecermos a nossa fé por meio da Palavra poderemos confiar em um resultado positivo, independentemente das circunstâncias. A fé nos ajuda a superar os períodos difíceis.

O cristão tem uma vantagem que é a Bíblia e as palavras de Deus em outros textos. Temos o auxílio da oração (em particular ou de outros), profecias pessoais, louvor e meditação. E inclusive muitas pessoas têm experiências positivas das mudanças pelas quais passaram ou ajudaram outros a passar que podem nos servir de encorajamento.

Alguns fatores importantes que me ajudam pessoalmente são:

  1. Criar uma atitude positiva sobre mudança em geral, bem como mudanças específicas que me afetam. Tentar considerar ou até ficar na expectativa de bons resultados. Por não haver maneira fácil de evitar mudanças, e se tentarmos poderemos ser atropelados por elas, descobri que o melhor é aceitar e não remar contra a maré. Uma atitude positiva nos dá flexibilidade para conseguirmos “pegar as ondas” da mudança, que do contrário não seria possível.
  2. Pedir ao Senhor para me ajudar a ver as vantagens das grandes mudanças que está permitindo na minha vida. Gosto de explorar esses benefícios buscando ao Senhor e Lhe pedindo entendimento e sabedoria para aproveitá-las ao máximo. Quando O busco fervorosamente Ele dá as respostas, Ele fala comigo.
  3. Entender que, às vezes, as coisas mais difíceis pelas quais devo passar no final serão as mais proveitosas. É difícil ter essa visão em uma situação difícil, mas quando lembro que a minha fé e confiança ao suportar os problemas podem contribuir para um maior crescimento nesse tipo de situação. Às vezes só preciso “aguentar”, sabendo que depois que a tempestade passar o sol vai brilhar e verei tudo sob uma nova ótica.
  4. Conectar-me com o Senhor regularmente para encorajamento e orientação por meio da Palavra, meditação, oração, etc. Por mais que a mudança possa desestabilizar, o Espírito de Deus sempre será a nossa âncora, e a Sua Palavra nos dará uma atitude cheia de fé que tornará a viagem mais tranquila.
  5. Lembrar-me que Deus me ama e Se importa comigo e com a minha felicidade e bem-estar. Deus, no Seu grande e abrangente amor por nós, às vezes precisa permitir coisas que não parecem “boas”, mas na realidade podem ser uma ótima experiência. É um desafio acreditar que Deus pode manifestar o Seu amor em circunstâncias difíceis, e ter fé para entender que até mesmo coisas “ruins” podem ser “boas” não importa o que nos pareçam. Descobri que se eu conseguir aceitar o desafio será mais fácil receber e me sentir em paz com a mudança.

Às vezes, para o Senhor gerar os bons resultados que deseja temos que passar por momentos tempestuosos. Então, se estiver no meio das ondas, confie nEle e tenha fé que Ele sabe o que está fazendo e só deseja o melhor de tudo para nós. — E que teremos um resultado “melhor” após superarmos os trechos difíceis de mudanças sem deixar isso interferir na nossa fé.

Publicado originalmente em maio de 2011. Editado e republicado em maio de 2015.